segunda-feira, 13 de julho de 2015


Ser de todos sem distinção

Quero ser o mais prostituido e estar na boca e na carne de vários sem distinção, ser biscate e me prender em seus músculos, ser volúvel ao querer tudo e todos.
Quero ser tão mundano em estar entregue a qual quer um estar aberto como uma forquilha e ser abrigo para todos quererem.
Não sou branco nem preto, sou transpatente, um gozo intenso, em minha loucura impulsiva ao manifestar- me no mais incessante e orgástico prazer, quero estar no beijo escorrido pelo corpo impregnado na alma ao ser vadiagem.
Estarei em graça ao ser desejo, prazer, tesão e anseios. Provocarei a disputa por ser desejado e tão querido em ser posse e possuído, a relação mais afetuosa e a ressurreição do espírito, que sente em sua profundeza ser a majestade no mundo o fecundo querer.
Causar os impulsos instintivos, o apreço da longe vida, ser perseguido com luxúria e provocar as canções, sem pudor ou vergonhas estar viril ou no cio ser a imaginação, refletir na pele eriçada e entumecido. Tão calida em ser manifesto acasalar sem ser gênero fraterno existir.
Ser aceito em essência acabar com a carência e salvar o existir.
Quero ser seu par eterno, jovial e fecundo reproduzir o que sou mundo. Antologia suprema ser a poesia e a pena que te faz existir.
Quero estar em sua mente, ser seu privilégio em viver do seu jeito de gente ao ser somente a fortuna que juntamos sem pudor.
Quero que me reconheça ao em seu seio quando estiver eu mergulhado em suas entranhas e sentir-me fecundar seu ventre e me chamar...
Serei Amor!

Hélio Ramos de Oliveira

A justa em versos e reversos



Os versos descreve a pena
Poesia que sentencia a questão
Ser poeta em sua justa expressão 
Trazer ao mundo o prazer da justa


Ser a rima em uma petição
Está no verbo o reparo
Data vênia se faz o pensar
Poesia em sua jurisprudência


Escrito desta conversa com versos
Estará sempre o poetar
Entre a culpa estará à defesa
As versões que compõe o julgar




Hélio Ramos de Oliveira

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/politica-brasil-economia/63,65,63,12/2015/07/07/internas_polbraeco,489350/advogado-escreve-peticao-em-forma-de-poesia-e-juiz-responde-com-versos.shtml 

sábado, 4 de julho de 2015


Elo

Unir as partes em um abraçar constante
Ser o belo e o amante
Coragem e insensatez
Beijar a boca e sentir o doce
Lábios
Língua
Sabor...
Segurar na mão de quem faz partilha
Cavalgar no céu em nuvens de paixão
Acorrenta-se a felicidade
Sem tempo
Sem idade
Ter ciúme do amor dos passarinhos
Cantando amor e fazendo o ninho
Ferve a alma solta pelo vento
Intenso
Assobiando tornando o ar em seu brado
Elo que uni e fortalece o amor
Olhares de fantasias carregados de magia
Enaltece o caminhar inspirado
Sentir a pele eriçada
Amante e amada
Amor...


Hélio Ramos de Oliveira
www.escrevendoevendoapoesia.blogspot.com

O pudor só serve pro nada

Reveste-se da hipocrisia quem se esconde em uma anágua de
intolerância
A verdade tem identidade e é aberta
Ser a exclamação
Intolerância obtusa que ceifa e puni
Jogada a culpa por ser divino
Vergonha que se cobre de carneiro
Está na profecia do absurdo a fé em demasia
Ao ser luz fez-se o dia
Respeitá-los ao ser fruto desta imensa colheita
Todas as flores exalam seu aroma com distinção
São os jardins em sua complexidade e diferenças
É daninha pra quem valoriza apenas o trigo, pois também é
alimento das lagartas.
Será a metamorfose um aprendizado para o homem?
Ou foi a cruz o peso de toda culpa?
Ceifar o que não foi semeado eleger assim os culpado pelos
erros que nem sabe
Pudor só serve a dor
É vergonha estar em pele?
A quem se fere se assim proclamamos nossa existência
A quem fará a diferença se acreditarmos que somos fruto desta
Terra
Sem sermos arrastado por um mar de hipocrisia.
A roupagem segrega o ser hominídeo
Vestes que inspiram a repulsa
O respeito está para os animais que não raciocinam e aceitam-
se como assim o são.


Hélio Ramos de Oliveira


Charme

Em sua aura se fez a ternura amante, aparecida de raionar
complacente do notório amor.
Vastidão que entoa a canção
Prazer do coloquial
Esplendor dos fios de seus cabelos soltos ao vento
Ar de seu corpo em ser mulher
Faceira em caminhar que seduz o próprio poeta
Que faz da letra seu gozo
Aconchega em seu manto do viver o amor
Alvo amor que fecunda Gaia
Tanto amor em ser simplesmente o paraíso
Textura de sua pele com maciez e sabor de rosas
Candura que aproxima a face em um beijo
Paixão que presenteia o mundo
Resvalar dos desejos em ser felicidade
Perfeição que ao ser divinal és mulher
Refestelar-se de seus devaneios é o providencial amar.

Hélio Ramos de Oliveira


Brincar...

Brincar é condição para ser sério disse o mestre Arquimedes, crianças brincam de sonhos construindo o futuro, semeando no vento as doidices de sempre aprontar, desafia as regras que ceifa a arte está no brincar.
Roda, dança, corre e grita, esconde o rosto pra tudo sonhar, liberdade que toma as ruas enche os parques de todos sonhar, o mestre dos sonhos faz a esperança sempre espalhar, quem pode ficar nesta festa que irradia o amor de crianças a ousar, pudesse ser sempre criança e ser sério em brincar.
A alma que sorri transforma a ânsia te traz a criança que quer libertar, dançar na chuva do tempo sem limites voa e não pode voltar, eclode toda sua esperança o amor é criança vem pra roda rodar, brinquedos de amarelinha sua vez ou a minha vão pro céu e ganhar, quem pula com uma só perna e chega ao fim é quem vai ganhar.
Premie-se com renovação do espírito de um novo pensar, desatar os nós que te priva vem para o mundo correr.
Pense que a ampulheta da vida está semeando seu tempo de brincar e amar.
Existe o caminho para a glória, em subir nesta árvore e seus frutos colher, para tanto é preciso de gana, pois criança não se engana quando querem brincar.
Amor é princípio sem fim.

Hélio Ramos de Oliveira

segunda-feira, 4 de maio de 2015


 

Diana uma linda poesia


Existe tanto amor em seu sorriso de princesa
A realeza tão menina em dizer papai comemorando sua
estação
Seu olhar carregado de paixão inspirando o mundo
Caçadora em seu destino de ser meiga e tão forte
De corpo esguio se movimenta encontrando os espaços
Fortalece o amor em seus entes que tão queridos amam-na
Diana princesinha
Tão pequenina menininha
Que um dia será rainha
Expressão de pureza e felicidade
Eié... Eié...
Pa pá pai...
A lembrança de seu sorriso ao nascer envolvida em meus
braços
Abraços
Laços
Amassou
Sorrisos regados com lágrimas
A voz que cantarolava a canção suave em seus ouvidos
Sua chegada
Tanto amor compreende a esperança
Diana...
Luz de tanto amor
Minha menina linda
Estarei ao seu lado
Segurarei sua mão
Te pegarei no colo
Te farei descansar
Dançaremos ao som de
Diana conta um
Sussurrar asa branca como uma canção de ninar
Quando você adormecer, estarei olhando sua face tranquila.
Estarei em uma serenata de anjos
Cantarolando seu nome suave
Dianinha minha menina linda
Papai e mamãe, sempre estarão com você.
Pirilampa
Amor de seus irmãos
Brincar de amor
Segurar em suas mãos em uma ciranda de felicidade
Bênção de Deus
Luz do universo



Hélio Ramos de Oliveira